sexta-feira, 23 de junho de 2017

SÃO PAULO Edital SE 01/2017 - Concurso Público para Diretor de Escola

Concurso Público para Diretor de Escola do Quadro de Magistério da SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO – EDITAL SE Nº 01/2017


Acompanhe o Concurso através do Portal de Concursos Públicos do Estado www.concursopublico.sp.gov.br, da Secretaria de Estado da Educação www.educacao.sp.gov.br e do Instituto Nosso Rumo www.nossorumo.org.br

  • 23/06/2017 - Confira o Edital
 São Paulo - Concurso Diretor de Escola


A Coordenadoria de Gestão de Recursos Humanos, por meio da Comissão Especial de Concurso Público, instituída mediante Resolução SE nº 33, publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo de 17/05/2016, e nos termos do Decreto nº 60.449, de 15 de maio de 2014, torna pública a abertura de inscrições e a realização do concurso público, em nível estadual, conforme prevê o §4º, art.1º do Decreto nº 53.037/2008, alterado pelo Decreto nº 59.447/2013, para provimento de 1.878 (mil oitocentos e setenta e oito) vagas para o cargo de Diretor de Escola do Quadro de Magistério, mediante as condições estabelecidas nas Instruções Especiais, contidas no Edital SE nº 01/2017.

As inscrições deverão ser realizadas somente pela Internet, no site www.nossorumo.org.br, no período das 10h00min de 03 de julho de 2017 às 23h59min de 17 de julho de 2017 (horário oficial de Brasília).

A partir das 17h do dia 20 de julho de 2017, o candidato deverá conferir no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br se a inscrição foi deferida, ou seja, se os dados da inscrição, efetuada via Internet, foram recebidos e se o valor da inscrição foi pago.

O concurso público ocorrerá em duas fases:

a) 1ª fase - Prova Objetiva (de caráter eliminatório e classificatório); 

b) 2ª fase - Títulos e Experiência Profissional, de caráter exclusivamente classificatório, (conforme Capítulo VII - “Dos títulos e seu julgamento” do Edital).

A prova, com 70 (setenta) questões de múltipla escolha, versará sobre o programa correspondente, constante no Anexo II do edital; 

A prova será avaliada na escala de 0 (zero) a 100 (cem) pontos. 

As questões da prova sobre conhecimentos gerais de Diretor de Escola, no total de 60, terão o valor de 1,25 (um inteiro e vinte e cinco décimos) pontos para cada questão; 

As questões da prova sobre conhecimentos aplicados de Diretor de Escola, no total de 10, terão o valor de 2,50 (dois inteiros e cinquenta décimos) pontos para cada questão; 

Será considerado aprovado/habilitado na prova, o candidato que obtiver nota igual ou superior a 50 pontos na prova.

Para convocação da prova, os candidatos não receberão, via Correios, nenhum comunicado ou carta sobre a data, local e horário de realização das provas, sendo de responsabilidade do candidato verificar as informações para realização de sua prova, a partir de 29 de agosto de 2017 no site do Instituto Nosso Rumo ou através do Diário Oficial do Estado.

Somente os candidatos habilitados na prova terão seus títulos avaliados.

SÃO PAULO - Educação abre 1.878 vagas de diretores de escolas

Provas serão aplicadas em 3 de setembro nas 91 Diretorias de Ensino

O Governo de São Paulo publicou nesta sexta-feira (23) no Diário Oficial o edital da abertura de inscrições e realização do concurso público para o cargo de Diretor de Escola na rede estadual de ensino. São 1.878 vagas disponíveis. O período de cadastro começa no próximo dia 3 e segue até 17 de julho. A prova será aplicada em 3 de setembro. A partir deste certame, a Secretaria da Educação estabelece mudanças durante o período probatório dos ingressantes, incluindo curso de formação obrigatório e avaliação do desempenho.

As inscrições são online e devem ser feitas no site do Instituto Nosso Rumo, responsável pela organização do concurso. O valor da taxa é de R$ 82,73. São 1.784 vagas para ampla concorrência e 94 para candidatos com deficiência. A jornada de trabalho é de 40 horas e o salário inicial é de R$ 3.834,00. 

O concurso é dividido em duas fases: prova objetiva (composta por 70 questões múltipla escolha sobre conhecimentos gerais e conhecimentos específicos de diretores de escolas) e análise de títulos e experiência profissional. Podem concorrer profissionais com tempo mínimo de oito anos no exercício do magistério e com diplomas de licenciatura plena de Pedagogia e/ou pós-graduação na área de Educação.

Avaliação de desempenho

O estágio probatório para diretor de escola tem duração de três anos. Durante o período, os ingressantes deverão também participar do Curso Específico de Formação ministrado pela Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores do Estado de São Paulo (Efap). O programa tem carga horária de 360 horas e é voltado às habilidades de gestão. Também estão previstas avaliações anuais sobre comprometimento com as ações da Secretaria e a comunidade escolar, responsabilidade, produtividade, assiduidade e disciplina. O diretor cujo desempenho for considerado insatisfatório poderá perder o cargo.

FONTE: SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Censo Escolar 2017 - Documento auxilia redes a preencher dados do censo escolar

Para ajudar diretores ou responsáveis nas escolas e secretarias municipais e estaduais de educação a repassarem os dados da matrícula inicial para o sistema Educacenso, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) colocou à disposição o documento Orientações de preenchimento do Censo Escolar 2017 – programas e políticas federais. O prazo para informar os dados da matrícula inicial vai até 31 de julho.

Produzido anualmente, o material orienta para o correto preenchimento das informações relativas aos programas do governo federal. Além de garantir indicadores consistentes, o repasse correto da informação tem impacto direto no acesso a diversos programas e políticas educacionais da educação básica que envolvem, inclusive, repasse de recursos.

Na página do Censo Escolar no portal do Inep, na seção Matrícula Inicial, é possível conferir outros documentos orientadores, como o caderno de instruções, a navegação guiada e uma cartilha direcionada ao Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Cacs/Fundeb).

Há ainda vídeos tutoriais disponíveis no perfil do Inep no Youtube, bem como perguntas frequentes sobre o Educacenso, a matrícula inicial e a educação especial.

Acesse as orientações de preenchimento do Censo Escolar 2017 no portal do Inep.

fonte: MEC

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Inep divulga estudo sobre salário de professor da educação básica

Estudo inédito apresentado nesta quarta-feira, 21, servirá de base para debate nacional com as redes de ensino sobre a remuneração média dos professores em exercício na educação básica. O levantamento, resultado de uma nova metodologia do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), contém informações que poderão contribuir, por exemplo, para a formulação do Custo Aluno-Qualidade Inicial (Caqi) e para discussões sobre a carreira dos professores.

O estudo, referente a 2014, foi feito a partir do cruzamento das bases de dados do Censo Escolar com a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho e da Previdência Social. O levantamento mostrou uma população de 2.080.619 professores e a seguinte remuneração média:

REMUNERAÇÃO MÉDIA PONDERADA POR CARGA HORÁRIA PADRONIZADA PARA 40H SEMANAIS – BRASIL – 2014


Fonte: Inep

Os dados revelam que a maior remuneração é dos professores da rede federal de ensino que atuam, prioritariamente, no ensino médio. A rede municipal, 45 vezes maior que a federal, paga menos da metade. E a rede privada tem os salários mais baixos.

Além disso, segundo o estudo, existem disparidades regionais e inter-regionais na remuneração de professores. Apesar das redes de ensino serem distintas, há casos de estados em que os professores trabalham 20 horas semanais e, mesmo assim, têm remuneração maior que professores com carga de 40 horas semanais, apesar de existir o piso nacional.

Metodologia – Os dados de remuneração de docentes só foram possíveis pela combinação de duas bases de dados. De um lado, o Censo Escolar, de âmbito nacional, realizado anualmente pelo Inep com a participação de todas as escolas públicas e privadas do país. O levantamento abrange diferentes etapas e modalidades: ensino regular (educação infantil e ensinos fundamental e médio), educação profissional, educação especial e educação de jovens e adultos (EJA). São coletados dados sobre estabelecimentos de ensino, inclusive dependência administrativa; alunos e matrículas; movimento e rendimento escolar dos estudantes; docentes e vínculos dos docentes com as escolas. Desde 2007, o Censo Escolar faz uma coleta de dados individualizados que permitem o acompanhamento do estudante e do docente.

Do outro lado está a base de dados da Rais, do Ministério do Trabalho e Previdência Social, que determina, como obrigatória, a declaração de todas as pessoas jurídicas de direito privado; órgãos da administração direta e indireta dos governos federal, estadual ou municipal; inscritos no CNPJ com ou sem empregados; todos os empregadores, conforme definidos na CLT; empresas individuais; cartórios extrajudiciais e consórcios de empresas; autônomos e profissionais liberais que mantiveram empregados; condomínios e sociedades civis; empregadores rurais e pessoas físicas que mantiveram empregados; e filiais, agências, sucursais, representações vinculadas à pessoa jurídica domiciliada no exterior.

Remuneração – A partir do cruzamento, a metodologia considerou a média das remunerações mensais informadas na Rais por esfera administrativa (empregador), referentes ao ano-base 2014 e devidas em cada mês trabalhado, pagas ou não, computados os valores considerados rendimentos do trabalho. Compõem a remuneração mensal informada na Rais: salários, ordenados, vencimentos, soldos, soldadas, honorários, vantagens, adicionais extraordinários, suplementações, representações, bonificações, gorjetas, gratificações, participações, produtividade, porcentagens, comissões e corretagens. O 13º não é incluído no cálculo.

Seminário – Os dados foram apresentados no Seminário 10 Anos de Metodologia de Coleta de Dados Individualizada dos Censos Educacionais, que celebra uma década do acompanhamento de estudantes e professores. Foi essa metodologia que permitiu o cruzamento das bases. O evento faz parte das comemorações dos 80 anos de fundação do Inep e foi realizado em 20 e 21 de junho, na Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio (CNTC), em Brasília (DF). 

Fonte: MEC

Divulgado gabarito da Olimpíada Brasileira de Matemática

O gabarito da primeira fase da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep) 2017 foi divulgado na tarde desta terça-feira, 20, juntamente com a íntegra dos cadernos de provas. Os estudantes que quiserem consultar o material devem acessar o site da Obmep. As provas foram realizadas no dia 6 de junho e a segunda fase está programada para 16 de setembro. A premiação será separada para as escolas públicas e privadas.

A novidade desta edição é que a competição também foi aberta para estudantes das escolas particulares. Também a partir deste ano a Obmep, que conta com apoio do Ministério da Educação, acontece de forma integrada com a Olímpiada Brasileira de Matemática, conhecida pela sigla OBM. Em 2016, foram 17,8 milhões de inscritos que representaram 99,6% dos municípios brasileiros e 47 mil escolas. Um aspecto importante da Obmep é o reconhecimento dos alunos que não venceram, mas tiveram bom desempenho na competição. Além das 500 medalhas de ouro, 1.500 de prata e 4.500 de bronze, outras 45 mil menções honrosas foram distribuídas entre os participantes na última edição.

De acordo com Claudio Landim, diretor-adjunto do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), órgão vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), e coordenador nacional da Obmep, o intuito das Olimpíadas é ampliar o conhecimento dos estudantes sobre a matemática, sendo isso mais importante do que a conquista de medalhas. “Essa olimpíada é concebida não para alunos que conheçam a matemática. Mas, ao contrário, visa despertar o interesse do aluno e mostrar que a matemática é muito mais ampla do que o que é ensinado na escola. A prova é concebida de modo que o aluno possa resolver as questões sem saber muita matemática, só com um pouco de lógica, raciocínio e criatividade”, detalha.

De acordo com ele, é justamente isso que tem ajudado a reverter certa dose de antipatia que muitos estudantes ainda nutrem pela disciplina. “Temos inúmeros casos de pessoas que descobrem vocação para área de exatas pela prova”, disse. As ações da Obmep vão além da prova e também têm foco na formação de alunos e professores, visando a solução de problemas. Isso porque, segundo Landim, “a grande missão da olímpiada é melhorar a qualidade do ensino da matemática nas escolas.”

fonte: MEC

Evasão no ensino médio supera 12%, revela pesquisa inédita

A maior taxa de evasão revelada pelo Censo Escolar entre 2014 e 2015 foi de 12,7% dos alunos matriculados na primeira série do ensino médio, seguida por 12,1% dos matriculados na segunda série. A terceira maior taxa de evasão é no nono ano ensino fundamental, que registrou 7,7%. Os números fazem parte dos indicadores de fluxo escolar na educação básica, divulgados pela primeira vez pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), nesta terça-feira, 20.

A terceira série do ensino médio teve 6,7% de evasão, que chegou a 11% do total de alunos nessa etapa de ensino. A metodologia que tornou possível esse levantamento, feito a partir do acompanhamento longitudinal da trajetória dos estudantes, completa 10 anos, e os resultados foram apresentados durante o seminário 10 Anos de metodologia de coleta de dados individualizada dos censos educacionais, realizado pelo Inep.

Os números inéditos representam um grande avanço no monitoramento da educação e na condução das políticas públicas e só são possíveis a partir da coleta de dados individualizados, adotada pelo Censo Escolar desde 2007, e que permitiram um acompanhamento do estudante ao longo de sua trajetória escolar. Uma das principais contribuições é a possibilidade de acompanhar os indicadores de todo o território nacional.

A série histórica revela, em todas as etapas de ensino, uma queda progressiva na evasão escolar de 2007 a 2013, mas o comportamento se altera em 2014, quando as taxas aumentam. A evasão é maior nas escolas rurais, em todas as etapas de ensino. O estado do Pará tem a mais alta taxa de evasão em todas as etapas de ensino, chegando a 16% no ensino médio.

Migração – A migração para a Educação de Jovens e Adultos (EJA) é mais expressiva ao final do ensino fundamental, quando chega a 3,2% e 3,1%, no sétimo e oitavo anos, respectivamente. Em relação à rede de ensino, a migração é maior na rede municipal dos anos finais do ensino fundamental, quando alcança uma taxa de 3,8%. Já no ensino médio, a migração é mais expressiva na rede estadual de ensino, com 2,2%.

Já os indicadores de promoção e repetência não são inéditos, mas pela primeira vez são divulgados com detalhamento para todo o território nacional. É possível, por exemplo, observar as taxas de cada unidade da Federação e município. Entre 2014 e 2015, a repetência na primeira série do ensino médio chega a 15,2%. O índice também é alto no sexto ano do ensino fundamental, com taxas de 14,1% de repetência.

Rendimento – Os indicadores de rendimento se referem à situação final do aluno ao final de um período letivo declarada no Censo Escolar, podendo o mesmo ser aprovado, reprovados ou ter abandonado a escola durante aquele ano letivo. Já os indicadores de fluxo escolar avaliam a transição do aluno entre dois anos consecutivos considerando os seguintes cenários possíveis: promoção, repetência, migração para EJA e evasão escolar.

O Seminário 10 Anos da Metodologia de Coleta de Dados Individualizados dos Censos Educacionais faz parte das comemorações dos 80 anos de fundação do Inep e será encerrado nesta quarta-feira, 21, em Brasília. A programação envolve debates sobre os ganhos informacionais com a mudança da metodologia de coleta de dados, a potencialidade de uso das bases de dados estatísticos e os desafios futuros.

Nesta quarta-feira, 21, o Inep reapresentará os indicadores de trajetória do discente da educação superior, divulgados no Censo da Educação Superior 2015, além de divulgar dados inéditos sobre a remuneração média dos docentes da educação básica.

fonte: MEC

terça-feira, 20 de junho de 2017

OBMEP 2017 - Gabarito da 1ª Fase

Gabarito da 1ª Fase da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas - OBMEP 2017

 Gabarito da 1ª Fase Obmep 2017

Obmep divulga as provas e soluções da 1ª fase

CONFIRA

A lista dos alunos classificados e seus respectivos locais de prova será divulgada em 11 de agosto no site da OBMEP.

Na segunda fase os alunos com as maiores notas fazem uma prova discursiva. Os participantes são divididos em três níveis: no primeiro, estudantes do 6º e 7º ano do ensino fundamental; no segundo, estudantes do 8º e 9º ano do ensino fundamental; e no terceiro, estudantes do ensino médio.

Os alunos recebem medalha de ouro, prata, bronze ou certificados de menção honrosa, de acordo com suas notas. Os medalhistas também terão a oportunidade de participar do Programa de Iniciação Científica Júnior, que inclui bolsa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Nesta edição, os alunos da rede privada irão receber suas próprias medalhas e certificados, além de poderem participar do programa de iniciação como ouvintes. A OBMEP também premia os professores, escolas e secretarias municipais de educação. 

A Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas é uma realização do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) e, de acordo com essa organização social, tem como objetivo estimular o estudo da matemática e revelar talentos na área.

CRONOGRAMA:

31/03 – Inscrições das escolas
06/06 – Provas da primeira fase
16/09 – Provas da segunda fase
22/11 – Divulgação dos premiados