segunda-feira, 16 de julho de 2018

PARANÁ PSS JULHO 2018 - Classificação Provisória

Classificação Provisória do Processo Seletivo Simplificado - PSS JULHO 2018 da Secretaria da Educação do Paraná

CONFIRA

O candidato pode fazer reclamação sobre a sua classificação, desde que justificada apontando qual item do Edital não foi cumprido. Após este período de classificação provisória não será admitida nenhuma reclamação. O candidato deve conferir a sua pontuação e se ela está de acordo com o Comprovante de Inscrição. 

Imprima o seu comprovante de inscrição no endereço www.pss.pr.gov.br. Siga as instruções que constam no item 10 do Guia de Inscrição. Somente tem validade o Comprovante de Inscrição emitido após a data da classificação provisória (16/07/2018).

Caso a pontuação não confira, protocole Recurso no NRE, nos dias 17 e 18.07.2018, seguindo as orientações do item 6.2 dos Editais 34/2018.
 
Caso a pontuação esteja correta, aguarde a publicação da Classificação Final, que ocorrerá após a análise dos recursos. 

A data da convocação dependerá da sua classificação e da necessidade do seu Núcleo Regional de Educação - NRE. Acompanhe o site do seu NRE em www.nre.seed.pr.gov.br, que será o local onde será convocado.

Mantenha seu e-mail atualizado pois você receberá um aviso de convocação, que será enviado ao seu e-mail. A SEED não se responsabiliza por avisos não recebidos, sendo o meio oficial de convocação a publicação dos editais no site. 
 
fonte: Secretaria da Educação do Paraná



Encceja para privados de liberdade abre inscrições nesta segunda, 16

Começou nesta segunda, 16, e vai até as 23h59 do dia 27 de julho (horário de Brasília) o período de inscrições para a edição de 2018 do Exame Nacional para Certificação de Competências. O exame será aplicado em 18 e 19 de setembro de 2018 às pessoas privadas de liberdade ou que cumprem medidas socioeducativas e que não tiveram oportunidade de concluir seus estudos na idade apropriada.

As unidades prisionais e socioeducativas interessadas em aplicar o Encceja PPL no Brasil têm prazo até 20 de julho para, após indicadas pelos órgãos de administração prisional e socioeducativa do país, firmar Termo de Adesão com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia vinculada ao MEC. Cada unidade prisional ou socioeducativa indicada terá um responsável pedagógico que, além das inscrições dos participantes, ficará encarregado de acessar os resultados e pleitear a certificação do participante.

Candidatos ao Encceja que buscam a certificação do ensino fundamental devem ter, no mínimo, 15 anos de idade; no caso dos pretendentes à certificação do ensino médio, pelo menos 18 anos. O exame é dividido em quatro provas objetivas por nível de ensino, cada uma com 30 questões de múltipla escolha, e uma redação.

As áreas do conhecimento avaliadas para os estudantes que visam à certificação do ensino fundamental são ciências naturais, história e geografia, língua portuguesa, língua estrangeira moderna, artes, educação física e redação e matemática. Para o ensino médio, o exame exige conhecimento nas áreas de ciências da natureza e suas tecnologias, ciências humanas e suas tecnologias, linguagens e códigos e suas tecnologias e redação, matemática e suas tecnologias.

Clique aqui para fazer a inscrição.

fonte: MEC

domingo, 15 de julho de 2018

Locais de prova do Encceja Nacional 2018 serão conhecidos a partir de 23 de julho

A partir de 23 de julho os inscritos no Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja Nacional) 2018 poderão saber onde farão as provas. O Exame será aplicado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) em 5 de agosto, em todas as unidades da federação. O local de prova é uma das informações do Cartão de Confirmação da Inscrição, que poderá ser acessado, após 23 de julho, pela Página do Participante. É necessário informar o CPF e a senha cadastrada durante a inscrição.

O Cartão de Confirmação da Inscrição informa o número de inscrição; a data; o horário; o local de realização das provas; as áreas de conhecimento e nível de ensino; as solicitações de atendimento especializado, específico e/ou pelo nome social, caso solicitados; além da Secretaria Estadual de Educação ou do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia escolhido para emissão do certificado ou declaração parcial de proficiência. É responsabilidade do participante consultar o seu local de prova previamente. O Inep sugere que todos levem o Cartão de Confirmação da Inscrição no dia de aplicação do Exame.
 
FONTE: INEP

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Sistema de inscrição para Encceja Exterior está reaberto até sexta, 13

A edição de 2018 do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos Residentes no Exterior (Encceja Exterior) terá seu sistema de inscrição reaberto por dois dias: das 10h desta quinta, 12, às 23h59 de sexta-feira, 13. As inscrições, que são gratuitas, podem ser feitas na página do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia vinculada ao Ministério da Educação.

Em qualquer país com aplicação do exame, as inscrições devem seguir o horário de Brasília (DF). Quem já está inscrito também terá a oportunidade de usar os dois dias para corrigir possíveis informações equivocadas. O período regular foi encerrado na segunda-feira, 9 de julho.

O Encceja Exterior é direcionado a brasileiros que não vivem no Brasil e não puderam concluir seus estudos na idade apropriada. O Encceja regular será aplicado em 16 de setembro nos seguintes países e cidades: Bélgica (Bruxelas), Espanha (Barcelona e Madri), Estados Unidos (Boston, Nova York e Miami); França (Paris), Guiana Francesa (Caiena), Holanda (Roterdã), Itália (Roma), Japão (Nagóia, Hamamatsu e Tóquio), Portugal (Lisboa), Reino Unido (Londres), Suíça (Genebra) e Suriname (Paramaribo.

Assim como no Encceja Nacional, haverá provas para o ensino fundamental, direcionado a maiores de 15 anos, e, para o ensino médio, focado em maiores de 18 anos, na data do exame. Os resultados podem ser utilizados para emissão da declaração parcial de proficiência e do certificado de conclusão do nível de ensino. O Inep elabora, aplica e corrige as provas, mas não emite a certificação – atribuição que, no caso do Encceja Exterior, cabe ao Instituto Federal de Brasília (IFB) e ao Colégio Pedro II, do Rio de Janeiro, conforme acordo de cooperação técnica firmado com o Inep. O Encceja Exterior é aplicado pelo Inep em parceria com o Ministério das Relações Exteriores (MRE) e suas respectivas representações diplomáticas.

Orientações – Durante a inscrição, o participante precisa ficar atento à seleção das áreas de conhecimento. Quem visa ao certificado de conclusão do ensino fundamental ou do ensino médio precisa ter proficiência nas quatro áreas do conhecimento e na redação. O estudante que já tem alguma declaração parcial de proficiência, obtida em edições passadas do Enem ou do próprio Encceja, fica liberado de fazer a prova dessa área específica. Já o candidato que não tem uma declaração parcial de proficiência deve escolher fazer todas as provas do nível de ensino para o qual busca a certificação.

Participantes que necessitam de atendimento especializado e/ou específico devem informar, no ato da inscrição, a condição que motiva a solicitação, com a devida documentação comprobatória. O Inep oferece atendimento especializado para participantes com baixa visão, dislexia, deficiência física e visão monocular. Os recursos de acessibilidade necessários também só podem ser solicitados na inscrição. Serão garantidos prova com letra ampliada, prova com letra superampliada, sala de fácil acesso e mobiliário acessível. O atendimento específico é uma opção para gestantes, lactantes e idosos.

O Encceja é composto por quatro provas objetivas por nível de ensino e uma redação. Cada prova tem 30 questões de múltipla escolha. No ensino fundamental, as áreas de conhecimento avaliadas são ciências naturais; matemática; língua portuguesa, língua estrangeira moderna, artes, educação física e redação; e história e geografia. Já as áreas do ensino médio são ciências da natureza e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; linguagens e códigos e suas tecnologias e redação; e ciências humanas e suas tecnologias.

O Inep disponibiliza materiais de estudo gratuitos, como apostilas para participantes e professores de Educação de Jovens e Adultos (EJA), além das provas do ano passado. Os consulados também oferecem cursos preparatórios, sobre os quais estão aptos a prestar todos os esclarecimentos.

Clique aqui para fazer sua inscrição.

Confira o edital publicado pelo Inep nesta quinta, 12, pelo Diário Oficial da União.

fonte: MEC

DADOS DO CENSO ESCOLAR: Alunos da rede privada passam mais tempo na escola

Em 2017, a média de horas-aula diária foi de 5 horas no Ensino Médio; de 4,6 horas no Ensino Fundamental; e de 6 horas na Educação Infantil. A rede privada tem a maior média de horas-aula diária no ensino médio e na educação infantil quando comparada à rede pública. Já no ensino fundamental as redes apresentam o mesmo resultado. Os dados são do Indicador Educacional “Média de horas-aula diária”, extraídos do Censo Escolar 2017, um dos oito divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) no início de julho.

A “Média de horas-aula diária” avalia o tempo médio de permanência do aluno na escola em diferentes etapas de ensino e por níveis de agregação (escolas, municípios, regiões, entre outros). Assim como os outros Indicadores Educacionais do Censo Escolar 2017, esses dados estão disponíveis para consulta no Portal do Inep, na seção Dados. Ao selecionar o indicador de interesse, serão listados todos os anos em que ele foi divulgado. É possível fazer download dos dados por Brasil, regiões e unidades da federação; municípios e escolas.

Este ano o Inep divulgará dez Indicadores Educacionais: Média de alunos por turma, Média de horas-aula diária, Taxa de distorção idade-série, Percentual de docentes com curso superior, Adequação da formação docente, Regularidade do corpo docente, Esforço docente, Complexidade da gestão da escola, Taxa de rendimento e Taxa de transição. Esses dois últimos – com informações sobre aprovação, reprovação e abandono; e promoção, repetência, evasão e migração para a Educação de Jovens e Adultos (EJA) – serão divulgados ainda neste segundo semestre.

Indicadores Educacionais – Capazes de agregar valor analítico e avaliativo às estatísticas, os Indicadores Educacionais do Censo Escolar permitem conhecer não apenas o desempenho dos alunos, mas também o contexto socioeconômico e as condições de em que se dá o processo ensino/aprendizagem no qual os resultados foram obtidos. Os Indicadores são úteis principalmente para o monitoramento dos sistemas educacionais, considerando o acesso, a permanência e a aprendizagem de todos os alunos. Dessa forma, contribuem para a criação e o acompanhamento de políticas públicas voltadas para a melhoria da qualidade da educação e dos serviços oferecidos à sociedade pela escola.

Acesse aqui os Indicadores Educacionais
 
FONTE: INEP

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Prêmio Professores do Brasil tem mais de quatro mil inscritos

A 11ª edição do Prêmio Professores do Brasil (PPB) registrou a inscrição de 4.040 professores da educação básica da rede pública de todo o país. O concurso pretende reconhecer e premiar o trabalho de docentes que contribuem para a melhoria dos processos de ensino e aprendizagem desenvolvidos nas salas de aula. Os vencedores nacionais serão conhecidos em 29 de novembro, no Rio de Janeiro.

O prêmio é uma iniciativa do MEC com instituições parceiras, e tem como objetivo estimular a participação dos professores como sujeitos ativos na implementação do Plano Nacional de Educação e da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). A premiação dá visibilidade às boas experiências pedagógicas conduzidas pelos professores, além de oferecer uma reflexão sobre a prática pedagógica e orientar a sistematização de experiências educacionais.

Do total de professores inscritos, 2.949 são mulheres e 1.091, homens, sendo 2.249 funcionários de escolas municipais, 1.644 de estaduais, 97 de federais e 50 de instituições privadas conveniadas. O estado que apresentou a maior participação foi São Paulo, com 690 cadastros, seguido por Minas Gerais, com 425, e Rio de Janeiro, com 291.

Para participar do concurso, os professores enviaram um relato da prática pedagógica desenvolvida com seus alunos. Neste ano, a premiação vai distribuir R$ 305 mil aos vencedores, bem como viagens educativas pelo Brasil e pelo exterior e placas para as escolas dos candidatos que tiverem experiências selecionadas.

Etapas – O PPB é dividido em três etapas: estadual, regional e nacional. Os participantes vão concorrer nas categorias Educação infantil/creche, Educação infantil/pré-escola, Anos iniciais do ensino fundamental/1º, 2º e 3º anos, Anos iniciais do ensino fundamental/4º e 5º anos, Anos finais do ensino fundamental/6º ao 9º ano e Ensino médio.

Na etapa estadual, os três primeiros colocados em cada categoria recebem certificado que ficará disponível no próprio sistema de inscrição, e o vencedor, um troféu. Na regional, são R$ 7 mil, mais troféu e viagem oferecida pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), autarquia vinculada ao MEC. Na categoria nacional, são mais R$ 5 mil e troféu.

Além dessas etapas, os professores podem concorrer em uma das cinco temáticas especiais: O esporte como estratégia de aprendizagem, Uso de tecnologias de informação e comunicação no processo de inovação educacional, Boas práticas no uso de linguagens de mídia para as diferentes áreas do conhecimento no ensino fundamental e médio, Práticas inovadoras de educação científica e Educação empreendedora. A premiação para as temáticas especiais inclui R$ 5 mil para os professores vencedores ou as escolas, viagens e participação na programação da TV Escola.

A divulgação dos vencedores na etapa estadual será em 21 de agosto. Os selecionados para a etapa regional serão conhecidos em 11 de outubro. Os 30 selecionados para a etapa nacional e os selecionados para a premiação especial serão anunciados em 11 de outubro. “A avaliação estadual está acontecendo e a equipe de avaliadores e coordenadores está trabalhando nessa seleção”, finalizou Joselino Goulart.

fonte: MEC

sexta-feira, 6 de julho de 2018

DADOS DO CENSO ESCOLAR: Ensino Médio brasileiro tem média de 30 alunos por sala

Em 2017, a média de alunos por turma foi de 30,4 no Ensino Médio; de 23, no Ensino Fundamental; e de 16,3, na Educação Infantil. As turmas da rede pública são maiores que as da rede privada para todas as etapas de ensino. Os dados são do Indicador Educacional “Média de Alunos por Turma”, derivado do Censo Escolar 2017, um dos oito divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) nesta segunda-feira, 2 de julho.

A “Média de Alunos por Turma” permite avaliar o tamanho médio das turmas em diferentes etapas de ensino, redes de ensino e níveis territoriais (escolas, municípios, unidades da federação, etc.). Assim como os outros Indicadores Educacionais do Censo Escolar 2017, estão disponíveis para consulta no Portal do Inep, na seção Dados. Ao selecionar o indicador de interesse, serão listados todos os anos em que ele foi divulgado. É possível fazer download dos dados por Brasil, regiões e unidades da federação; municípios e escolas.

Este ano o Inep divulgará dez Indicadores Educacionais: Média de alunos por turma, Média de horas-aula diária, Taxa de Distorção idade-série, Percentual de docentes com curso superior, Adequação da formação docente, Regularidade do corpo docente, Esforço docente, Complexidade da gestão da escola, Taxa de Rendimento e Taxa de Transição. Esses dois últimos – com informações sobre aprovação, reprovação e abandono; e promoção, repetência, evasão e migração para a Educação de Jovens e Adultos (EJA) – serão divulgados ainda neste segundo semestre.

Indicadores Educacionais – Capazes de agregar valor analítico e avaliativo às estatísticas, os Indicadores Educacionais do Censo Escolar permitem conhecer não apenas o desempenho dos alunos, mas também o contexto socioeconômico e as condições de em que se dá o processo ensino/aprendizagem no qual os resultados foram obtidos. Os Indicadores são úteis principalmente para o monitoramento dos sistemas educacionais, considerando o acesso, a permanência e a aprendizagem de todos os alunos. Dessa forma, contribuem para a criação e o acompanhamento de políticas públicas voltadas para a melhoria da qualidade da educação e dos serviços oferecidos à sociedade pela escola.

Acesse aqui os Indicadores Educacionais
 
FONTE: INEP